#4 novidades de abril e maio que você precisa saber em menos de cinco minutos!

Hey hackers,
Aqui vai 4 coisas que você precisa saber que aconteceram, estão acontecendo e acontecerá na Casa Hacker.

#1. Nós estamos na Pré-Encubação do Programa Pense Grande da Fundação Telefônica Vivo
De 02-03 de maio, Geraldo (eu mesmo que escrevo), estarei no encontro regional do programa em São Paulo onde receberei treinamento, e trabalharei desenhando junto aos mentores da Aliança Empreendedora uma estratégia desafiadora para a Casa Hacker, alinhada com missão do nosso projeto. ~~~<3

Voltarei com nosso desafio, e se bem sucedido podemos ser um dos os finalistas e ter acesso a rede completa do Pense Grande, de Empreendedorismo de Base Comunitária, mentoria especializada, contatos e fundos de investimento, além de um programa do Pense Grande todo para a Casa Hacker.

Quer ler mais sobre o programa? Clique aqui.

#2. Um novo FabLab começará a ser construído no Campo Grande

Agora está confirmado, a cultura maker (da criação, inovação...) chegará no Campo Grande, e graças ao esforço de todo nosso time e dessa inovação que Douglas e Elaine estão trazendo para a região e conectando ao nosso projeto. Nosso compromisso com a Fundação FEAC foi feito na semana passada, e nas próximas semanas espere novos e-mails de nosso time com convites para você participar dessa construção e além de tudo, APRENDER MUITO!

Não temos formas estabelecidas de engajamento, então espere mais de nós nas próximas semanas.

#3. Nossa primeira The Glass Room Experience foi um aprendizado

Fruto da cooperação entre o time da Casa Hacker e a Tactical Tech, trazemos para a Virada Sustentável de Campinas, a primeira exposição que explora seus dados, privacidade e segurança!

A The Glass Room Experience contou com a exposição de: “A Casa do Zuckerberg” que é um modelo da casa do proprietário e fundador do Facebook Mark Zuckerberg que questionou os visitantes sobre o significado da privacidade e quem pode pagá-la; nossos jogos “Falso ou Real” e “A Internet que Você Não Vê” engajou os participantes na descoberta sobre como as redes sociais, os dispositivos inteligentes e as grandes empresas de tecnologia coletam e usam nossos dados; “Dados de Um Dia” mostra como nossos dados são coletados, analisados e vendidos diariamente, independente de estarmos conectado a Internet ou não, do momento que acordamos ao momento que estamos dormindo; “A Vida Real da Sua Selfie” foi o destaque da nossa exposição, mostramos como uma simples foto de perfil, as selfies, falam sobre quem somos, como somos, e o que pensamos a partir do nosso “faceprint”, inclusive explicamos como as selfies podem ser capturadas, além daquelas feitas pelos nossos dispositivos; Data Detox Bar onde as pessoas pegaram seus guias de desintoxicação de dados que guiam os participantes a fazerem suas limpezas digitais de dados em seus aplicativos, redes sociais e plataformas on-line buscando reduzir a quantidade de dados que são colocadas a disposição das grandes corporações que coletam, analisam e vendem todos esses dados, nosso time conduziu diálogos de privacidade e segurança, respondeu a questões comuns sobre a temática e ainda deu orientações personalizadas para cada participante interessado na desintoxicação digital; “O Império”, nossa última exposição interativa engajou os participarem a mapearem a rede global de alcance do Google e suas corporações, isso fez os participantes refletirem sobre o monopólio e implicações das empresas de tecnologia que nos oferecem serviços digitais, inclusive gratuitos.

Dialogar, expor dados e fatos sobre privacidade e segurança digital é um tema muito novo na América Latina e inevitavelmente em Campinas, onde o ecossistema digital é muito explorado e consumido, mas pouco desenvolvido, sendo assim, foi perceptível que o assunto, as temáticas abordadas em cada exposição foram encaradas como algo totalmente novo, mas consideráveis questionamentos/temas para os participantes.

A obra “A Vida Real da Sua Selfie” foi a mais impactante para todos, pois o uso crescente de redes sociais baseadas em fotos e imagens fazem com que nossas comunidades façam vídeos e fotos diárias de nossos perfis, rosto e corpo humano, mas esse engajamento social possui implicações pois nossas imagens e selfies são usadas para nos identificar e determinar nossos direitos.
 

#4. Envolva-se na Casa Hacker!
Quer contribuir com a Casa Hacker? Quer construir esse espaço conosco? Veja as posições voluntárias que estamos buscando e fale com nosso time para que possamos lhe dar boas vindas e os primeiros passos.

  • Tradutores Inglês-Português do Brasil para o projeto The Glass Room Experience;

  • Facilitadores e organizadores de oficinas de inclusão digital, alfabetização web e/ou desenvolvimento web — para o Programa de  6 Semanas;

  • Facilitador de eventos — para produzir festivais de cultura digital do nosso coletivo;

  • Criador de conteúdo para mídias sociais — para o Facebook, Instagram e Blog;

  • Membros para o conselho de administração / diretoria — para a Associação Casa Hacker, buscamos líderes altamente experientes em tecnologia da informação a empreendedores sociais, comprometidos e com experiência comprovada em projetos/programas/instituições de base comunitária que possam formar a base dos blocos de construção da Associação Casa Hacker.

Quer juntar-se a nós? Me escreva: falae@casahacker.org.

Por hoje é só,

Geraldo Barros
Em nome do time da Casa Hacker
https://casahacker.org

Compartilhe suas novidades e seu trabalho também!

Não é um trabalho fácil mapear todas as contribuições e iniciativas em nosso coletivo, então compartilhe as suas para falae@casahacker.org e nós faremos o melhor para publicar o quanto antes.

Geraldo Barros